PUBLICAÇÃO DA ANÁLISE AO SISTEMA FINANCEIRO

teste carvalho@goweb.pt https://www.bancocentral.tl/uploads/seo/big_1436805856_8449_button_accept.png
Parede Informasaun

PUBLICAÇÃO DA ANÁLISE AO SISTEMA FINANCEIRO

PUBLICAÇÃO DA ANÁLISE AO SISTEMA FINANCEIRO 29 | 01 | 2016

O Banco Central de Timor-Leste (BCTL) publicou hoje a sua primeira Análise ao Sistema Financeiro, uma análise que cobre o período até junho de 2015. 

A elaboração da Análise ao Sistema Financeiro enquadra-se na implementação do Plano Diretor para o Desenvolvimento do Sector Financeiro em Timor-Leste, lançado em agosto de 2014. Um dos pontos essenciais constantes do Plano Diretor é a necessidade de monitorização da sua própria implementação sendo, a publicação anual de uma Análise ao Sistema Financeiro, recomendada como um dos meios pelos quais essa monitorização pode ser levada a cabo. 

O objectivo da Análise ao Sistema Financeiro é examinar a solidez e eficiência do sistema financeiro de Timor-Leste, o qual abrange bancos, companhias de seguros, micro finanças e cooperativas de crédito de grande dimensão. A análise é realizada desde dois pontos de vista, o primeiro aborda a estabilidade do sistema financeiro, o que inclui os potenciais riscos e, o segundo trata os progressos atingidos no objectivo do desenvolvimento de um sistema financeiro sólido em Timor-Leste. 

Esta análise foca-se, essencialmente, nos aspectos do sistema financeiro sobre os quais o Banco Central de Timor-Leste tem responsabilidades regulatórias, sem, contudo, deixar de considerar os aspectos gerais, incluindo uma análise dos riscos, domésticos e externos, que podem afetar as entidades que compõem o sistema financeiro. Aborda igualmente os progressos obtidos pelo Banco Central e pelas instituições financeiras no desenvolvimento de um sistema nacional de pagamentos, na prestação de serviços bancários por telefone e internet, na atividade bancária sem filiais, na literacia financeira e crescimento na expansão do crédito. 

A análise identificou que, desde meados de 2013, o número de agências bancárias aumentou em 30 por cento (de 24 para 31), e o número de ATM duplicou (de 20 para 40). Durante o mesmo período, o número de contas de depósitos bancários aumentou em 36 por cento e os saldos nessas contas em 49 por cento. Os saldos dos depósitos em instituições de microcrédito têm aumentado numa percentagem semelhante. 

A análise nota que menos progressos têm sido registados, até agora, na ampliação da disponibilidade de crédito para empresas e famílias Timorenses. Enquanto o número de contas de depósitos em bancos aumentou em quase 95 mil desde junho de 2013, o número de créditos concedidos no mesmo período aumentou em menos de 2 mil. Isto reflete-se no declínio dos empréstimo em relação ao rácio dos depósitos, especialmente para bancos, onde o crescimento dos depósitos superou o crescimento dos empréstimos por uma margem considerável. Os rácios entre empréstimos e depósitos nas instituições de microcrédito são consideravelmente mais elevados, devido ao facto de estas instituições obterem apenas uma pequena proporção do seu financiamento por via dos depósitos, uma vez que a maioria do financiamento dessas instituições provém de doadores e de empréstimos. Por conseguinte, a grande prioridade para o período que se avizinha é a de fortalecer e reforçar as políticas em vigor de forma a permitir que as empresas e as famílias Timorenses contraiam empréstimos e as instituições financeiras financiem. 

Cópias da Análise ao Sistema Financeiro de 2015 encontram-se disponíveis no Banco Central, podendo igualmente ser obtidas no sítio de internet da instituição. Encontrando-se previsto que este documento seja atualizado e publicado anualmente. 

Díli, 29 de janeiro de 2016